Corretores de imóveis: dicas sobre a habilitação e o comportamento profissional

By
Se estiver bem preparado, profissional encontrará boas oportunidades de trabalho, além de alcançar reconhecimento


A habilitação profissional e o credenciamento são fundamentais para o exercício da profissão de corretor de imóveis. Mas, para obter sucesso de fato, além de resolver essas questões referentes à lei, é preciso desenvolver competências pessoais e técnicas. A legitimação de qualquer profissional se dá também no desempenho diário de suas funções, ao lidar com suas responsabilidades, e para o corretor imobiliário não é diferente. Se estiver bem preparado, encontrará boas oportunidades de trabalho, além de alcançar reconhecimento.


O comportamento ético é ingrediente indispensável ao relacionamento interpessoal e para destacar-se como profissional

Na prática, o corretor de imóveis é um tipo de negociador, cujo objetivo principal é efetuar uma venda bem sucedida, que corresponda aos interesses tanto do antigo quanto do novo proprietário. Ele atua como representante entre vendedores e compradores, transmitindo informações a respeito do imóvel. Portanto, seu desempenho nas relações interpessoais, por xemplo, deve estar sempre afinado, já que seu grande desafio será enfrentar expectativas muitas vezes opostas.


É importante ressaltar que o corretor “lidará com assuntos com enorme influência na vida da clientela, assumindo responsabilidades e competências para trabalhar com riquezas imobiliárias, de maneira que é imprescindível obter o amparo legal necessário para exercer a profissão”, esclarece Fernando de Magalhães Júnior, professor do Curso Capacitação de Corretor de Imóveis, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas. Portanto, o diferencial buscado pelo mercado não está apenas no talento demonstrado nas tarefas diárias, está também na importância que o profissional atribui a sua regularização e à credibilidade que advém dessa postura.


CPT - Centro de Produções Técnicas

Providências legais


É muito importante obter a habilitação, o corretor de imóveis sempre precisará apresentá-la, seja como autônomo ou funcionário de qualquer empresa do setor, como imobiliárias, construtoras, incorporadoras, cartórios de registros de imóveis, empresas de consórcios imobiliários.


Mas, quais são os procedimentos? A Lei Federal nº 6.530/78 estabelece critérios para que o profissional seja considerado habilitado. Um dos passos é providenciar o credenciamento no sistema COFECI-CRECI (Conselho Federal de Corretores de Imóveis-Conselho Regional de Corretores de Imóveis), presente em todo o território nacional e sua sede está em Brasília – DF. O Conselho é responsável por regulamentar e fiscalizar a profissão. Ele reúne cerca 280 mil profissionais e 40 mil empresas do setor imobiliário.


Além do credencimento no referido sistema, a legislação que regula a profissão determina ser obrigatória a titulação obtida por meio do curso técnico em transações imobiliárias – TTI, que deve ser feito apenas em instituições de ensino autorizadas pelo COFECI-CRECI.


Comportamento profissional


Quanto ao comportamento do corretor de imóveis, a ética profissional é um dos aspectos indispensáveis a serem levados em conta na formação pessoal e técnica. A ética é o conjunto de regras que conduz cada ato do indivíduo e, dessa forma, propicia o convívio social harmônico. O curso CPT lista algumas das atitudes que caracterizam um comportamento ético:


– Honestidade;

– Lealdade;
– Rendimento elevado;
– Respeito à dignidade humana;
– Sigilo profissional;
– Respeito às normas e obediência às condições preestabelecidas, etc.

Mais que quaisquer outros requisitos, esses são elementos fundamentais para ser bem sucedido na carreira. Qualidades como a transparência, por exemplo, é uma atitude ética importantíssima, que remete à integridade, bem como à honestidade. “Vale aqui um conselho para quem deseja o sucesso no mercado imobiliário: seja correto, sincero, honesto, não deixe margens para dúvidas em relação à sua conduta pessoal e profissional. E jamais se deixe influenciar por alguma forma insensata e leviana que possa parecer que irá facilitar uma negociação imobiliária”, é o que aconselha o professor do curso CPT.



Por Luci Silva